Ressonância Magnética no diagnóstico do Parkinson

Uma matéria recentemente publicada na revista norte-americana Neurology Advisor fala sobre o uso da ressonância magnética no diagnóstico precoce da doença de Parkinson.

Ampliando a usabilidade

A ressonância magnética revelou-se útil no diagnóstico do Parkinson nas últimas 3 décadas, evoluindo de um uso limitado para excluir o parkinsonismo sintomático, para a sua utilidade atual na diferenciação do Parkinson de distúrbios parkinsonianos atípicos.

“Com a ressonância magnética, agora estamos olhando o cérebro estrutural, funcionalmente e metabolicamente, e estamos vendo avanços na avaliação do cérebro relacionados a vários sintomas e correlacionando aqueles com diferentes mudanças estruturais”, disse Ritesh A. Ramdhani, professor assistente de neurologia e neurocirurgia na Universidade de Nova York, Instituto de Fresco Langone Health para Transtornos do Parkinson e do Movimento, à Neurology Advisor. A ressonância magnética pode ser usada para identificar biomarcadores que possam informar o diagnóstico, rastrear a progressão da doença e elucidar os fundamentos neurobiológicos dos sintomas.

Até agora, grande parte do foco nas técnicas de imagem para o Parkinson se concentrou no diagnóstico precoce e nas ligações entre alterações radiográficas e progressão ou tratamento da doença. “No entanto, a ressonância magnética está começando a desempenhar um papel crucial na intervenção terapêutica”, disse Amber Van Laar, MD, neurologista da Clínica de Distúrbios do Movimento Integral do Centro Médico da Universidade de Pittsburgh, na Pensilvânia, à Neurology Advisor. “A cirurgia guiada por ressonância magnética é utilizada na implantação da estimulação cerebral profunda“, e essa abordagem é mais anatômica que os procedimentos tradicionais, com resultados e riscos semelhantes.

No futuro

Os desenvolvimentos em curso na tecnologia de ressonância magnética oferecem possibilidades adicionais para uma detecção mais precoce e precisa da doença de Parkinson. “Uma melhoria importante que promove o uso da tecnologia em distúrbios do movimento é a capacidade de encontrar características distintivas entre a doença de Parkinson e outros parkinsonismos atípicos”, observou o Dr. Van Laar.

Além de auxiliar na detecção e no diagnóstico, tal avanço poderia influenciar a direção da pesquisa terapêutica e o desenvolvimento de novos tratamentos. “Isto é especialmente importante para doenças como Atrofia de Múltiplos Sistemas, Paralisia Supranuclear Progressiva e Degeneração Corticobasal que atualmente não possuem tratamentos adequados”.

Embora a maioria desses avanços ainda não tenha sido traduzida clinicamente, o Dr. Ramdhani suspeita que, em última instância, contribuirá para melhorias no tratamento. “Precisamos de estudos longitudinais em que a imagem é padronizada em todo o quadro”, afirma.

O que fazer agora?

Se você quiser ajuda para encontrar um neurologista especializado na sua região, preencha o nosso formulário para entrarmos em contato com você: http://parkinsoneeu.com/recupere-sua-vida/. E continue aprendendo mais sobre o Parkinson aqui no nosso blog, na nossa página do Facebook e no nosso canal no YouTube.

Fonte: http://www.neurologyadvisor.com/movement-disorders/advancements-in-utility-of-mri-in-parkinson-disease/article/689850/