Dotores fazendo cirurgía de Parkinson

Doença de Parkinson – Sou candidato para a cirurgia de estimulação cerebral profunda?

A cirurgia de estimulação cerebral profunda envolve a implantação de eletrodos em diferentes estruturas do cérebro. Estes estão conectados a um estimulador que é colocado sob a pele no peito do paciente. O sistema é programado com controle remoto, conseguindo transmitir sinais elétricos de maneira controlada, cujo objetivo é modificar a atividade neuronal em diferentes regiões e circuitos cerebrais, controlando os sinais e sintomas da doença.

Uma de suas principais indicações é a doença de Parkinson. O paciente deve ser cuidadosamente avaliado por uma equipe multidisciplinar para determinar se a cirurgia é a melhor opção e, assim, garantir o melhor resultado.

A cirurgia de estimulação cerebral profunda em pacientes com doença de Parkinson melhora os sintomas motores (movimentos), sua qualidade de vida e reduz os efeitos adversos da medicação.

Como saber se um paciente com doença de Parkinson é candidato à cirurgia?

Durante os primeiros anos da doença, os pacientes geralmente conseguem um bom controle de seus sintomas com medicamentos. Com o tempo, apesar do tratamento ideal, a progressão dos sintomas geralmente afeta o funcionamento normal e a qualidade de vida. Além disso, os efeitos adversos a longo prazo dos medicamentos podem produzir maior incapacidade, sendo as mais frequentes flutuações motoras (quando os sintomas da doença reaparecem antes de receber a próxima dose do medicamento) e discinesias: movimentos anormais rápidos, involuntários e diferentes de tremor.

Nesses pacientes, a cirurgia de estimulação cerebral profunda pode ser uma opção, oferecendo um bom controle dos sintomas da doença, em alguns casos reduzindo a dose da medicação e seus efeitos adversos.

Para determinar se o paciente é candidato à cirurgia, os pontos abaixo devem ser avaliados:

1. Diagnóstico da doença de Parkinson clássica: outras doenças como paralisia supranuclear progressiva, atrofia de múltiplos sistemas e demência do corpo de Lewy devem ser descartadas. Essas doenças podem apresentar sintomas semelhantes à doença de Parkinson, mas nesses casos a cirurgia é contraindicada. A apresentação clínica, sua evolução ao longo do tempo, a resposta à medicação e a ausência de outros sinais e sintomas ajudarão no diagnóstico.

2. Resposta à medicação: a Levodopa é um dos pilares no tratamento da doença de Parkinson. Para considerar um paciente candidato à cirurgia, os sinais e sintomas da doença devem melhorar com a Levodopa. Essa resposta geralmente prediz o benefício que poderia ser obtido com a cirurgia, mas de maneira estável e sem os efeitos adversos da medicação.

3. Avaliação neuropsicológica: deve-se descartar a presença de déficit cognitivo, uma vez que a demência é a principal contraindicação cirúrgica. Qualquer alteração no humor deve ser tratada e controlada previamente.

4. Espectro clínico da doença de Parkinson: nem todos os sinais e sintomas da doença respondem igualmente à estimulação. O tremor, a rigidez e a lentidão do movimento é onde a melhor resposta é obtida. Por outro lado, marcha congelada, dificuldade em falar, problemas de equilíbrio e múltiplas quedas que não respondem ao tratamento medicamentoso, geralmente não melhoram com a cirurgia.

5. Ressonância magnética nuclear: visa identificar alterações estruturais do cérebro, a existência de atrofia e a anatomia dos núcleos onde os eletrodos serão implantados.

6. Idade: a idade avançada não é uma contraindicação absoluta, mas problemas cognitivos, atrofia cerebral e doenças concomitantes são mais frequentes nesses pacientes, o que pode contraindicar a cirurgia.

A decisão de proceder à cirurgia deve ser tomada por uma equipe multidisciplinar composta por neurologista, neuropsicólogo, psiquiatra e neurocirurgião com experiência nesta terapia.

Referências bibliográficas:

1. Deuschl G., Schade-Brittinger C., Krack P. et ai. Um estudo randomizado de estimulação cerebral profunda para a doença de Parkinson. New Engl J Med 2006; 355 (9): 896-908.

2. Weaver F., Follett K, Stern M, et al. Estimulação cerebral profunda bilateral vs. melhor terapia médica para pacientes com doença de Parkinson avançada: um estudo controlado randomizado. JAMA 2009; 301 (1): 63-73.

3. Williams A, Gill S, Varma T, et al. Estimulação cerebral profunda, além da melhor terapia médica versus a melhor terapia médica sozinha para a doença de Parkinson avançada (estudo PDSURG): um estudo randomizado e aberto. Lancet 2010; 9 (6): 581-591.

4. Israel Z, Hassin-Baer S. Estimulação subtalâmica para a doença de Parkinson. Isr Med Assoc J 2005; 7 (7): 458-463.

APOIO:
Fernando Ramirez de Noriega
Neurocirurgião Funcional, na Clínica Delgado, Lima – Peru