Perguntas frequentes (FAQs)

O que é a terapia de Estimulação Cerebral Profunda (DBS)?

A terapia de Estimulação Cerebral Profunda é uma opção de tratamento para pacientes com Parkinson cujos sintomas motores não respondem adequadamente à medicação, ou em casos nos quais a medicação oral ainda funciona, mas não é mais eficaz para controlar os sintomas motores.

No que consiste a terapia de Estimulação Cerebral Profunda?

O objetivo da terapia DBS é bloquear os sinais que causam os sintomas motores do Parkinson, mediante a impulsos elétricos.

Isto é realizado através da inserção cirúrgica de um eletrodo no cérebro, que se conecta, através de uma extensão, a uma bateria chamada "neuroestimulador" (semelhante a um marca-passo cardíaco). Uma vez instalado e programado, o neuroestimulador transmite impulsos elétricos para áreas específicas do cérebro que controlam o movimento.

Em qual parte do corpo é colocado o neuroestimulador?

Após a colocação do eletrodo no cérebro, o cirurgião implanta o neuroestimulador no peito do paciente. Em seguida, por extensões colocadas debaixo da pele, que percorrem do pescoço até a cabeça, os eletrodos são ligados ao neuroestimulador. A terapia é totalmente implantável e, geralmente, não é visível.

Que sensação provoca a estimulação?
A maioria dos pacientes não sentem a estimulação. No entanto, alguns pacientes podem notar uma breve sensação de formigamento quando a estimulação é ligada pela primeira vez. Se a estimulação mudar ou provocar desconforto, o paciente deve contatar o médico imediatamente.
A terapia DBS impede o uso de futuros tratamentos ou curas que podem surgir?
Não, a terapia DBS não impede o uso de futuras opções terapêuticas. O sistema é reversível e pode ser removido.
A terapia DBS é apenas para tremores?
Não, a DBS é também utilizada para tratar a rigidez e o movimento lento ou ausente e pode proporcionar alívio de certos sintomas não motores, tais como perturbações do sono.
Devemos adiar o uso de DBS até que seja o último recurso?
Não. A janela de oportunidade para a terapia DBS se abre quando o corpo já não responde à medicação oral de forma tão eficaz como costumava, mas antes de o medicamento parar de funcionar completamente. Se você esperar muito tempo, a terapia já não pode oferecer ao paciente o mesmo nível de eficácia que teria oferecido anteriormente.
Quanto tempo após o implante a terapia DBS começa a funcionar?
Cada paciente reage de maneira diferente, mas normalmente leva vários meses. Em geral, a cicatrização da cirurgia deve estar completa antes de poder iniciar a programação e, em seguida, o paciente deve ir em várias sessões de programação antes de atingir um controle eficaz dos sintomas.
O sistema de estimulação cerebral faz barulho?
Não.
Posso retomar as minha atividades diárias normais?
Durante as primeiras semanas após a cirurgia o paciente deve evitar fazer esforços, levantar os braços acima dos ombros e esticar o pescoço excessivamente. Você pode gradualmente tentar realizar determinadas atividades que eram difíceis antes da cirurgia, mas consulte seu médico primeiro e certifique-se de seguir todas as orientações.
O neuroestimulador ficará visível?
De acordo com a constituição do corpo do paciente o neuroestimulador pode ser visível como um pequeno nódulo sob a pele. No entanto, o médico tenta colocar o neuroestimulador em uma área que causa menos desconforto e é esteticamente aceitável.
Posso aumentar ou diminuir a potência do estimulo?
Na maioria dos casos, apenas o médico pode alterar a potência do estímulo. Dependendo do neuroestimulador implantado, o paciente pode escolher a partir de uma variedade de configurações de estimulação que o médico já programou previamente.
É seguro se submeter a exames médicos com o sistema implantado?
O paciente deve consultar o médico antes de fazer qualquer tratamento ou exame de diagnóstico por imagem (por exemplo, ressonância magnética, mamografia ou desfibrilação cardíaca). Alguns, mas nem todos os sistemas DBS são adequados para Ressonância Magnética se forem respeitadas determinadas condições. Em nenhum caso é permitido o uso de diatermias (tratamento térmico de profundidade) ou ultrasom terapêutico.
A estimulação pode ser usada na gravidez?
A terapia DBS é segura durante a gravidez e pode significar a possibilidade da redução da medicação para o Parkinson durante este período.
A Estimulação Cerebral Profunda é usada para tratar o Parkinson?

A terapia DBS também é usada para tratar outros distúrbios, tais como Distonia e Tremor Essencial.

É um procedimento permanente?
DBS é um processo reversível. Também é ajustável, o que significa que a estimulação pode ser ajustada para se adequar as alterações nos sintomas. O sistema pode ser desligado ou mesmo removido em uma cirurgia adicional.
O que acontece se o neuroestimulador para de funcionar?
Os sintomas reaparecem. Se não for possível determinar a causa e corrigir o problema, você deve consultar o seu médico.
Quanto tempo dura a bateria do neuroestimulador?

A duração da bateria pode variar em alguns casos porque os parâmetros de programação para cada paciente são diferentes, e também depende do tipo de dispositivo usado. Há dispositivos recarregáveis e não-recarregáveis e, geralmente, os recarregáveis duram nove anos e os não recarregáveis, cinco anos.

O que acontece se a bateria precisar ser substituída?

Em geral, os eletrodos e extensões permanecem no local e simplesmente são reconectados a um novo neuroestimulador. Para a substituição da bateria do dispositivo, é necessário uma cirurgia antes que ele se esgote.

Alguns sistemas usam baterias recarregáveis para reduzir a necessidade de nova cirurgia para substituir o neuroestimulador. Nestes casos, o neurologista e o neurocirurgião devem aconselhar o paciente sobre a melhor opção, de acordo com suas necessidades.

Existem riscos?

Como em qualquer cirurgia, há riscos que incluem complicações associadas à infecção, hemorragia, etc. Portanto, é importante fazer a avaliação pré-cirúrgica e seguir as recomendações de uma equipe médica treinada.

Desde quando e onde o procedimento é feito?

Desde 1987, mais de 140.000 pacientes em todo o mundo têm se beneficiado da Estimulação Cerebral Profunda, reduzindo os sintomas da doença e melhorando significativamente a qualidade de vida.