Perguntas e Respostas

O que é doença de Parkinson (DP)? Em que consiste?

A doença de Parkinson afeta o sistema nervoso central, especificamente na área do cérebro responsável por controlar a coordenação, movimento e tônus muscular.

Por que é chamada assim?

A doença de Parkinson foi descrita pela primeira vez em 1817 pelo médico Inglês James Parkinson, daí o seu nome.

Como a doença se manifesta?

A doença se manifesta através de sintomas motores e não-motores.

Entre os sintomas motores destacam-se os tremores, lentidão de movimentos, rigidez muscular e alterações na postura.

  • Tremor: é a agitação involuntária e rítmica de um membro, da cabeça ou do corpo inteiro. É o mais conhecido dos sintomas da doença de Parkinson e muitas vezes começa com um tremor ocasional em um dedo, que eventualmente se espalha para todo o braço. O Tremor pode afetar apenas uma parte ou lado do corpo, especialmente nas fases iniciais da doença. Nem todos os que sofrem da doença têm tremor.
  • Lentidão de movimentos (Bradicinesia): é um dos sintomas clássicos do Parkinson. Eventualmente, uma pessoa com a doença pode desenvolver uma postura curvada e andar devagar, arrastando os pés. Finalmente, você também pode perder sua capacidade de iniciar e manter o movimento. Depois de alguns anos, você pode experimentar acinesia, ou "congelamento" e ser incapaz de se mover.
  • Rigidez muscular: é a rigidez ou inflexibilidade dos membros ou articulações, normalmente começando nas pernas e pescoço. A rigidez afeta a maioria das pessoas com a doença. Os músculos se contraem e encolhem, e algumas pessoas podem sentir dor ou rigidez.
  • Instabilidade postural: está associada a distúrbios de equilíbrio e coordenação. Uma pessoa com instabilidade postural pode ter uma posição inclinada com a cabeça curvada. Eles podem desenvolver uma inclinação para a frente ou para trás, e sofrer quedas causando ferimentos. Pessoas com uma inclinação para trás são propensas a "retropulsão" (cair para trás).

Entre os sintomas não-motores destacam-se:

  • Dificuldade em executar várias tarefas ao mesmo tempo por uma falta de concentração e possível diminuição do funcionamento intelectual;
  • Formigamento ou dor nas extremidades;
  • Tom de voz baixo;
  • Menos expressão no rosto;
  • Distúrbios associados ao humor, como ansiedade, depressão e diminuição do desejo sexual;
  • Problemas de sono;
  • Constipação;
  • Aumento da transpiração;
  • Diminuição do olfato.
Estes sintomas são exclusivos da doença de Parkinson?

Não, alguns destes sintomas estão relacionados também com outras condições diferentes do Parkinson. Por isso a importância de ir a um especialista (neurologista) para diagnosticar ou descartar a doença.

Todos os pacientes têm os mesmos sintomas?

Não, dependendo do paciente e do estágio em que está a doença, alguns podem apresentar uns sintomas e outros não.

Existe uma relação entre a idade e a probabilidade de desenvolver Parkinson?

Geralmente a doença se desenvolve após os 65 anos de idade. No entanto, cerca de 15% das pessoas desenvolvem a doença de Parkinson mais jovens, antes de alcançar os 50 anos.

Os homens são mais propensos a desenvolver a doença?

Existe um mito de que os homens são mais propensos ao Parkinson, mas a doença não faz distinções entre gêneros e raças.

É uma doença fatal?

O Parkinson antigamente era considerado como uma das doenças degenerativas com pior prognóstico para os pacientes, porém, os avanços na ciência mudaram essa visão.

Existe cura?

Ainda não foi encontrado qualquer tratamento médico ou cirúrgico que cura os pacientes diagnosticados com Parkinson.

No entanto, hoje existem muitas opções disponíveis para tratar a doença, desde medicamentos a procedimentos cirúrgicos, que melhoram significativamente a qualidade de vida das pessoas com Parkinson.

Quais são as opções de tratamento?

Há muitas opções disponíveis para tratar a doença de Parkinson, desde medicamentos a procedimentos cirúrgicos. No entanto, quando se trata de escolher o tratamento ou a terapia mais adequada para lidar com a doença, deve-se consultar um médico e ter em conta que cada paciente é único.

Entre as opções cirúrgicas, destaca-se a Estimulação Cerebral Profunda, uma das terapias mais avançadas para reduzir os sintomas de Parkinson e outras doenças associadas com distúrbios do movimento. Ela representa uma alternativa para alguns pacientes cujos sintomas não podem ser controlados através de medicação.